segunda-feira, 17 de julho de 2017

Little Witch Academia

poster little witch academia

     Little Witch Academia é um anime do estilo shoujo disponível na Netflix, que conta a história de Akko, uma jovem apaixonada por magia, que se torna a primeira não bruxa a frequentar a escola Luna Nova.
     Apesar de não ser uma estudante muito habilidosa, Akko é extremamente determinada, e sonha seguir os passos de sua ídola, Shiny Chariot, uma bruxa famosa e talentosa que simplesmente desapareceu.

Sucy, Akko e Lotte na sala de aula

     O anime tem um enredo simples e um pouco previsível, mas muito bem executado. A história e as personagens são engraçadas, os episódios são leves e os traços muito agradáveis.
     A série é cheia de referências a outras obras, como Harry Potter (muitas vezes), Meninas Super Poderosas, Crepúsculo, Outlander, entre várias outras, o que acaba ficando muito interessante. Você meio que fica procurando os easter-eggs, ainda que muitos deles sejam bem escrachados.

     Um grande ponto positivo de Littler Witch Academia, é o fato de a maioria do elenco ser feminino, sem aquela sexualização exagerada que nós consumidores de animes infelizmente estamos habituados a ver, onde o foco não é o romance e sim a realização do sonho da protagonista. Alias, meninos e relacionamentos são muito pouco falados durante a história, não tirando a atenção do que realmente é importante.

      A interação entre as personagens é muito divertida, apesar de terem personalidades muito diferentes. As minhas preferidas são Sucy, a amiga de Akko que é  fanática por cogumelos e tem um senso de humor um tanto quanto sombrio, e Diana, a jovem bruxa prodígio e grande talento da escola Luna Nova, considerada aquela personagem perfeita que as pessoas geralmente não simpatizam (eu me incluo aqui muitas vezes, mas dessa vez foi diferente).

Sucy com um cogumelo
 
Diana estudando

     Os únicos pontos negativos que realmente me incomoda no anime, é o fato de que os acontecimentos importantes ficaram condensados em poucos episódios, não sendo desenvolvido durante toda a temporada e o pouco desenvolvimento de algumas personagens, que poderia tornar tudo muito mais interessante. Espero que os próximos episódios, que ainda não tem data de estreia no Brasil, possam aprofundar e corrigir esses dois pontos.

        O anime ainda possui dois O.V.A's, também disponíveis no Netflix e lançados antes da série animada, que logo trago a resenha para vocês.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Passeio em Belo Horizonte- MG

vista da Lagoa da Pampulha

    Neste fim de semana, eu e o Rafa (meu noivo) fomos visitar minha amiga Vivian em Belo Horizonte (MG), e hoje, decidi contar para vocês como foi essa viagem, que apesar de bem cansativa, foi muito boa.

     Começo explicando que essa viagem só foi cansativa desse jeito, porque eu sou medrosa demais para pegar um avião :p (tenho pânico de altura, para ser mais exata), então enfrentamos dez horas e meia na ida e mais dez horas na volta, com duas paradas em cada percurso.
      Saímos aqui de Santos a noite e chegamos em BH bem cedinho, depois de um pequeno descanso para banho e café da manhã, saímos para conhecer um pouco do centro da cidade.

      Nossa primeira parada foi no parque Américo Renê Gianneti, um local bem arborizado, tranquilo, onde encontramos algumas pessoas praticando atividades físicas e brincando em uma espécie de parquinhos de diversões.

chafariz da praça Américo renê Gianneti

      Nesse parque, também existem aqueles brinquedos de escalada e escorregas para crianças, só que em uma versão muito maior dos que eu já tinha visto. Queria muito ter brincando em alguns desses quando mais nova :p

brinquedão da praça Américo Renê Gianneti

      Depois de uma segunda pausa para um lanche (sim, comemos muito nessa viagem), caminhamos até a praça Liberdade. Lá, conhecemos alguns museus bem legais, como o Espaço do Conhecimento da UFMG, que estava apresentando uma exposição muito interessante chamada Demasiado Humano (entre outras), onde se pode conhecer a Cosmogonia (história da origem da vida e do universo) de diferentes religiões.

imagem da cosmogonia grega da exposição Demasiado Humano

     Entre os museus que visitamos, um dos que eu mais gostei foi o MM Gerdau- Museu das Minas e do Metal (também ao redor da praça), onde pudemos observar diferentes tipos de minérios e suas composições e até mesmo descobrir a quantidade de metais em nosso corpo.

drusa de quartzo

      Também super indico a cafeteria SouCafé, que fica  dentro do Centro Cultural do Banco do Brasil (ainda na mesma praça), onde tomamos um delicioso chocolate quente e um mocha.

        Após uma grande visita aos museus da região, escalamos nosso caminho para o Mercado Central (digo escalamos, porque Belo Horizonte, é uma grande ladeira, então se você vai caminhar, não faça como eu, não vá de bota :p). No Mercado Central se encontra um pouco de tudo, desde especiarias e artesanatos, até utensílios domésticos e coisas para pets. Obviamente nos abastecemos de queijos e doces para dar de presente e depois fomos embora.

       Na noite de sábado, jantamos em uma hamburgueria chamada Bacon Paradise, que como o nome já pode indicar, tudo tem bacon (isso incluiu sobremesas e algumas bebidas). Escolhi um sanduíche chamado Burlesco, que apesar de parecer ter um preço meio salgado, super compensou, pois ele tem um ótimo tamanho. Infelizmente não me sobrou espaço para arriscar a sobremesa com bacon.

       No nosso último dia lá, domingo, fomos fazer uma caminhada pela Lagoa da Pampulha, onde muitas pessoas, menos sedentárias que eu, aproveitam para correr e andar de bicicleta. Como a Lagoa é um pouco extensa (algo por volta de 18 km), não pudemos percorre-la por completo, mas conhecemos a Igreja de São Francisco, projetada por Niemeyer e com painéis externos de Portinari (para quem gosta de arquitetura e arte, uma boa dica do que visitar).


      Aí andamos para o lado contrário, onde paramos para tirar umas fotinhos e comer (lógico!) na Casa de Baile, local que as vezes recebe exposições e eventos. No momento da nossa visita havia uma exposição sobre o ócio, então algumas redes estavam armadas no deque, de frente para a lagoa. Simplesmente lindo!
eu deitada na rede com a vista da pampulha


vista da Casa de Baile na Lagoa da Pampulha

      Depois de muitas comidas, ladeiras, fotinhos e paisagens lindas, chegou a hora de voltar para Santos, cansada, mas muito feliz com essa viagem ^^.
      Ah, meus agradecimentos a Vivian, que nos convidou, abrigou, alimentou, aturou e guiou durante esse fim de semana :)

       Ps: se quiserem acompanhar mais passeios, indicações de restaurantes e até mesmo de algumas leituras, me segue lá no Instagram.

sábado, 1 de julho de 2017

Músicas Empoderadas

     Que tal uma playlist cheia de músicas que mostram que nós mulheres podemos ser o que quisermos e somos donas dos nossos corpos?
         Uma playlist de músicas inspiradas, de ótimos conselhos e quebras de estereótipos.







     Lembra de alguma música que não está na lista? Me indique! Vou adorar conhecer novas canções empoderadoras ^^.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Master of None: um humor sutil e inteligente.


     Master of None é uma série de comédia/drama criada e interpretada por Aziz Ansari em parceria com Alan Yang, que acompanha a jornada de Dev Shah, um ator que vive em Nova York, em busca de novos trabalhos e paixões.

     A série se utiliza de um humor sutil, daquele que você não vai morrer de gargalhar, mas com toda certeza vai se divertir, e como diferencial, vai te fazer pensar. Master of None aborda diversos temas importantes, como falta de representatividade, machismo, a diferença entre gerações, sexualidade, entre outra coisas, de forma leve e muito inteligente.

     Os personagens são divertidos e muito verídicos, compostos de qualidades e defeitos, que fazem você se identificar com muitas situações. A interação entre eles também é muito agradável e realista.
     A relação de Dev e Arnold é algo digno de nota, pois a forma como a amizade dos dois é retratada, foge completamente dos padrões que estamos acostumados a ver na televisão. Eles são carinhosos e respeitosos um com o outro, sem que isso caia no velho clichê de "minha relação com meu melhor amigo parece a de um casal", muitas vezes utilizado para retratar fortes amizades masculinas em comédias.

      Apesar de ter como grande foco a vida do protagonista, a série te permite conhecer um pouco mais sobre seus amigos, sobre a história deles e seus sentimentos. Existe até um episódio que mostra um pouco sobre diversas pessoas que vivem na cidade, mesmo elas não tendo nenhuma relação com o elenco principal.

     Master of None tem atualmente duas temporadas, disponíveis no Netflix, com dez episódios cada uma, sendo uma série bem fácil de ser maratonada :p