domingo, 12 de julho de 2015

O que assisti essa semana 14

    Como simplesmente esqueci de fazer essa postagem na semana passada, não vou me lembrar exatamente dos dias em que assisti esses filmes, mas vamos lá:


   O filme Amigos Inseparáveis, conta a história de um trio de companheiros, que na juventude trabalhavam no mundo do crime.
    Após cumprir vinte oito anos de prisão, Val (Al Pacino) reencontra com Doc (Christopher Walkin), e tem uma triste surpresa sobre seu futuro. Dispostos a reviver os tempos de "glória", ele vão atrás de Hirsch (Alan Arkin) para reunião nada típica.
     Esse é o típico filme que você acaba assistindo por causa do grande elenco, por querer ver grandes nomes trabalhando juntos.
    A história é bem simples, e um pouco previsível, mas cumpri exatamente o que ela se propõem, contar de forma engraçada e dramática a história desses amigos que não estão mais na juventude, mas que ainda tem muitos desejos.


     Encontrei por um acaso, enquanto meu pai zapeava pelos canais, o filme televisivo The Normal Heart, um drama emocionante sobre um grupo criado para ajudar doente e lutar contra a AIDS logo em seu início, quando ela ainda era considerada uma doença "exclusiva" aos homossexuais.
    Acompanhamos a história de Ned Weeks, que cansada de perder amigos para a doença, começa a cobrar de forma agressiva que o governo tome atitudes.
    Quando começa assistir esse tipo de filme, você inevitavelmente sabe que irá se emocionar, e que possivelmente não terá um final feliz, mas é muito interessante, e digo muito importante, que esse tipo de produção aconteça, pois hoje em dia os jovens, que não viveram as piores épocas da doença, as vezes podem não fazer ideia de como ela foi devastadora.
     Podemos contar com um ótimo elenco como Mark Ruffalo, Matt Bomer, Júlia Roberts, Jim Parson, Alfred Molina, entre outros, em atuações que chamam atenção.

 
   De todos os filmes que assisti na semana que passou, Transcendence foi o único que eu não gostei. Claro que sou meio suspeita para falar sobre filmes de ficção científica, que não é bem o meu tipo preferido.
      Dr. Will Caster (Johnny Deep) é um famoso pesquisador sobre inteligência artificial, e acaba por se tornar alvo de um grupo extremista contra a grandes avanços tecnológicos, então ele tenta convencer sua esposa e seu melhor amigo a utilizarem suas pesquisas afim de unir sua mente a um computador.
      Apesar de ser uma ficção, eu acredito que todos os acontecimentos do filme foram muito extrapolados, não digo só no sentido tecnológico, porque eu não sou ninguém para falar sobre isso, mas em toda a história, que por sinal, não é exatamente muito inovadora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, não utilizem palavras ofensivas ou divulguem spoilers de qualquer espécie.

Obrigada!