segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Uma semana de faculdade- Primeiras impressões



Hoje eu completei uma semana na faculdade de Letras, que é a minha segunda formação, já consegui notar algumas diferenças do meu curso anterior e decidir falar um pouco sobre as minhas primeiras impressões. Minha faculdade anterior foi um Tecnólogo de Produção Multimídia, um curso de curta duração e cheio de atividades práticas, onde a criatividade era mais exigida do que as normas ABNT. Já o curso de Letras é bem teórico, com muitos textos técnicos para ler e várias normas acadêmicas para seguir.

Além das diferenças inerentes dos cursos, as instituições também são bem distintas. Na UNIP, além das matérias presenciais regulares, temos diversas atividades realizada nas plataformas online, incluindo provas.

Uma das coisas que eu mais estranhei nessa nova instituição foram os semestres mesclados, nossa turma é composta pela turma do primeiro e do segundo semestre e permanecera assim até que eles se formem, só aí cursaremos as matérias faltantes.

Apesar de todas as diferenças e precisar ainda me adaptar há algumas coisas, estou muito animada com o curso e muito feliz de estar segurando bem a minha ansiedade mesmo precisando achar tempo para realizar minhas atividades.

Minhas expectativas

  • Conhecer pessoas novas,
  • Conhecer culturas novas (já que terei matérias sobre a literatura Inglês, Americana, Portuguesa e Africana, além da nossa, claro!),
  • Melhorar minha escrita,
  • Melhorar minha leitura,
  • Aprimorar o meu Inglês.
  • Criar disciplina para os estudos.

sábado, 11 de agosto de 2018

Meus programas de TV preferidos na infância



No dia 11 de agosto é comemorado no Brasil o dia da televisão, então decidi fazer um post falando sobre os meus programas de TV preferidos na infância. Em 2016 eu gravei um vídeo falando um pouco sobre as coisas que eu assistia, mas nesse post eu queria falar um pouco mais detalhadamente disso e acabei descobrindo, durante minha pesquisa para essa postagem, que eu assisti muitas coisas na minha vida. Por esse motivo, eu decidi fazer um apanhado, dividido em categorias, como programa, novelas e etc, e futuramente talvez, dar destaque em alguns desses temas.


Programas Infantis


Começo falando sobre os programas feitos para crianças, onde passavam os desenhos, além da própria história do programa.

O Disney Club era um programa bem conhecido quando eu era novinha e mostrava três jovens (autointitulados ultra-jovens) que decidiram criar uma emissora pirata no sótão de casa.

Entre os desenhos que passavam na época, os meu preferidos eram Super Patos (amava muito), Turma do Pateta, Os Gárgulas e A Pequena Sereia.

elenco do disney club
Elenco do Disney Club

Outro programa que eu não perdia era Bambulua, uma telenovela infantil que passa na globo no horário da manhã e contava a história dos Cavaleiros do Futuro, jovens protetores da Cidade dos Sonhos.

O show era protagonizado por Angélica e também continham desenhos entre seus quadros, o que foi o inicio da TV Globinho, que depois se tornou um programa independente.

cavaleiros do futuro
Cavaleiros do Futuro. Desculpe a imagem de baixa qualidade, não consegui encontrar nenhuma melhor.


Entre os desenhos assistidos na época da TV Globinho e seu antecessor, o Férias Animadas, estava Digimon (1ª geração), A Aventuras de Jackie ChanAvatar (que considero até hoje um dos meus desenhos preferidos), HamtaroInuyashaSakura Card CaptorsKim PossibleTrês Espiãs Demais e Medabots

Programa de desenhos


Ah o Band Kids, como eu amava esse programa. Uma parte da tarde todinha reservada para os meus desenhos  e animes favoritos na época. Eu assistia Bucky, El Hazard, Cavaleiros dos Zodíacos, Dragon Ball Z e Tenchi Muyo (que era o que eu mais gostava).

tenchi muyo
Anime Tenchi Muyo

Novelas


Eu já fui bem noveleira e acompanhava os mais diversos tipos de novelas (minha mãe sempre assistia, então eu acabava vendo junto).

Até hoje, minha novela favorita é o Cravo e a Rosa, da Rede Globo, originalmente exibida no horário das 18 horas. Assisto todas as vezes que reprisa as brigas do casal Catarina (Adriana Esteves) e Petruchio (Eduardo Moscovis). Apesar de ter certeza de que assistir novamente, agora olhos mais maduros, vou achar muitas coisas erradas, ainda é uma obra muito relevante e muito presente na minha lembrança de criança.

catarina e petruchio
Catarina e Petruchio da novela O Cravo e Rosa

Também acompanhei algumas novelas infantis, como Chiquititas (a primeira geração) e O Diário de Daniela. Ambas recheadas de momentos musicais.

elenco de chiquititas
Elenco de Chiquititas 1ª geração

o diário de daniela
O Diário de Daniela

A Extinta Fox Kids

Apesar de ter acompanhado muitos desenhos da Cartoon Networks (como O Laboratório de Dexter, Meninas Super Poderosas, Coragem, KND- A Turma do Bairo, etc), meu canal preferido quando criança era sem dúvidas a Fox Kids, que infelizmente encerrou suas atividades em 2002.

Mesmo sendo medrosa, adorava a sessão de terror voltado para crianças, que contava com programas como Goosebumps, Eerie Indiana e Contos da Cripta.

eerie indiana
Eerie Indiana


Sem contar com o meu super-sentai preferido, os Big Bad Beetleborgs, que acompanhava três jovens que adquiriam poderes dos heróis de sua HQ favorita.

beetleborgs
Big Bag Beetleborgs


Essa série foi responsável por eu aderir ao boné em certa fase da minha infância, imitando minha personagem preferida, a beetleborg vermelha, Jo, como vocês podem ver:


eu de boné ao lado da atriz
Eu na minha fase o dia todo de boné. A direita a atriz Brittany Konarzewski (2ª Jo na série)


Como vocês podem perceber, eu assistia bastante coisa na televisão quando era criança. Essa lista não chega nem perto de tudo.

Impossível listar todos os desenhos e novelas sem deixar esse post enorme e cansativo, isso sem contar nas inúmeras séries da Warner que eu acompanha pelo SBT nos fins de Semana.


E vocês? Quais eram seus programas preferidos durante a infância?
Algum dos que eu falei vocês não conheciam e querem saber mais em um post próprio?

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Jogo The Trail (app)

imagens do jogo the trail

The Trail é um jogo para celular com uma mecânica bem simples e viciante, onde seu objetivo é crescer na vida, explorando uma novo lugar.

Você cria um personagem que decide se arriscar em uma nova vida e começa uma jornada em direção à Eden's Falls, onde pretende criar residência e crescer financeiramente. Ainda não sei bem toda a história do jogo, mas conforme você avança, recebe cartas de sua família contando sobre a situação precária em que estão vivendo.

O personagem faz todo o percurso a pé, coletando itens pelo caminho para que possa vender e juntar dinheiro. Esses itens também são utilizados para confeccionar roupas, armas e ferramentas necessárias para sua jornada.

Existem vários acampamentos onde seu personagem pode vender, comprar, fabricar itens e descansar (além de salvar o jogo).



Se sua energia acabar antes que você chegue em um dos acampamentos você desmaia e suas coisas caem da bolsa, ficando expostas a ladrões, por isso é importante sempre estar com comida e roupa adequada, que aumentam sua vida.




O dinheiro arrecado será utilizado  para fazer as travessias de balsa e construir e mobiliar sua casa, além de ajudar sua vila a prosperar.

Se está procurando um app com jogabilidade simples que te entretenha por horas, The Trail pode ser uma boa escolha. É gratuito (com funções pagas que não fazem muita falta) e as propagandas são opcionais, caso queira algum item de brinde. 

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Meu primeiro dia na faculdade de Letras



Tinha planejado escrever um post para falar sobre meu primeiro dia no curso de Letras (minha segunda formação, na Universidade Paulista, mesmo sem ter muita certeza se teria algo para comentar, mas algo engraçado aconteceu hoje então vou ter algo para contar.

Acordei as seis e meia e me arrumei rapidinho, porque sou dessas que prefere me aprontar correndo do que ter que acordar muito mais cedo. Sai de casa lá para sete da manhã e felizmente peguei logo o ônibus, acreditando que conseguiria chegar na aula as oito, sem me recordar do enorme transito de todos os dias na divisa de Santos e São Vicente.

Preocupada por já estar atrasada, olhei rapidamente a listagem que estava na porta da faculdade que informava minha sala e subi apressada.

Pequeno adendo: estudo no terceiro andar e crente que aguentaria, decidi subir pelas rampas. No segundo lance percebi que meu sedentarismo não permitira realizar tal ato, mas aí já era tarde demais para pegar o elevador. Cheguei na sala como se tivesse corrido a meia maratona.

Já na sala de aula, morrendo de medo de estar no lugar errado, confirmei com um rapaz se aquela era realmente a turma de Letras. Ele era estudante de administração mas disse que aquela era aparentemente uma aula mista. Como sei que isso era uma prática comum da UNIP, sentei em uma cadeira, ao lado de outro estudante de Letras (uffa, parecia que estava mesmo na sala certa) e aguardei.

O professor logo entrou, deu bom dia e se pôs a escrever na lousa o conteúdo pragmático. Quando li o nome da matéria, Tecnologia da Informação, senti um leve desespero brotar em meu peito. Para quem não sabe, cheguei a fazer um curso de Técnico em Informática (com foco em programação) que abandonei poucas semanas antes de me formar. Gostava tanto do curso que pouco tempo depois, já tinha esquecido quase tudo. A matéria me persegue tanto, que sou rodeada de pessoas que a estudam e passam horas falando sobre (e eu panguando, claro!).

Na descrição do conteúdo da matéria, mais um momento de pânico, tinha contabilidade. Olhei para os lado, procurando mais olhares desesperados, mas estavam todos aparentemente bem com isso.

Após copiar uma lousa inteira, o professor começou a se apresentar e falar de sua formação. Depois ele passou o horário de aulas dos alunos de ADM, apenas deles. Levantei o braço e perguntei sobre a grade da turma de letras e foi só aí, meia hora depois, que tivemos a certeza de que estávamos na sala errada. O mico só não foi maior porque comigo tinha mais dois alunos que não deviam estar ali.

Enfim, saímos os três em busca da nossa turma e por sorte, quando chegamos, o professor ainda não tinha aparecido. Apesar de toda a confusão, fiquei muito aliviada de não ter que cursar aquela matéria e muito contente em ver minha grade real.

Saímos da primeira aula com 23 páginas para xerocar (vida de universitário é mesmo uma porção de xerox) e nosso horário e salas corretas.


 Por ser meu primeiro semestre (misto com o pessoal do segundo) ainda estou um pouco perdida com o funcionamento de algumas coisas, mas muito empolgada com o curso.


Conforme for aparecendo novidades, vou falando um pouco sobre essa nova fase da minha vida e curiosidades sobre o curso.