domingo, 13 de janeiro de 2019

OQAES: Substitutos, Os Oito Odiados e Bohemian Raphsody

montagem com Bruce Willis, Rami Malek e Samuel L. Jackson









Fazia muito tempo que eu não escrevia um post sobre filmes assistidos, por falta de tempo (e por utilizar o pouco que tinha para ver filmes repetidos :p).

O post de hoje trás dois filmes que vi nessas duas primeiras semanas do ano e um que assisti no fim de 2018, ou seja, não é bem o que assisti essa semana, mas acho que está valendo.


poster do filme Bohemian Rhapsody
Toda a minha família estava muito ansiosa para assistir o filme biográfico da banda Queen e do cantor Freddy Mercury, intitulado com o nome da música Bohemian Rhapsody, mas acabamos indo ao cinema apenas na última semana de exibição.

Como o filme esteve em alta durante vários dias, foi difícil não ler  ou ouvir sobre ele antes de conferir, então quando assisti já estava bem consciente de que o filme continha alguns erros históricos. Achei bom ter esse conhecimento prévio, pois não conhecia muito sobre a história da banda, então aproveitei o filme sabendo que os acontecimentos poderiam não ser exatos, o que é melhor do que acreditar em tudo e depois descobrir os furos. 

Assim foi menos confuso, mas alguns dos erros me deixaram bem decepcionada (leia aqui a confusão das datas do emblemático show no Brasil durante o primeiro Rock n' Rio).


Bem, ignorando as GRANDES divergências, o filme é ótimo, já que conta com excelentes atuações (como a de Rami Malek interpretando Freddy) e uma trilha sonora maravilhosa, afinal, Queen é Queen.


poster do filme Substitutos
Começamos a assistir Substitutos de forma bem despretensiosa. Meu pai deu play no primeiro filme com uma sinopse razoável e pronto. Talvez seja essa despretensão tenha sido muito benéfica, pois apesar de não ser uma história inovadora ou com grandes plots, o longa protagonizados por Bruce Willis foi uma ótima distração, cumprindo bem sua função como filme de ação com ficção cientifica como pano de fundo.

O filme conta a história de um mundo futurista, onde as pessoas utilizam androides como substitutos de seus próprios corpos, como forma de se manterem seguros enquanto vivem suas vidas. Tom Greer (Willis) é um policial que foi designado para investigar um estranho assassinato dos substitutos, que acabou resultando em mortes reais.



poster do filme Os Oito Odiados
O último filme que vi nesses primeiro dias de janeiro foi Os Oito Odiados, dirigido por Quentin Tarantino, o que já devia ser uma indicação de que eu não iria gostar (me julguem, mas eu raramento curto um filme do Tarantino :p).

O longa (e poem longa nisso) acompanha dois caçadores de recompensas com seus prisioneiros, eles se encontram durante uma nevasca e buscam refugio no Armazém da Minnie, um ponto de parada no meio do caminho para Red Rock.
Durante o filme vamos conhecendo um pouco sobre os homens que já se encontram nesse abrigo e acompanhamos os conflitos gerados por essa pequena convivência forçada.

Os Oito Odiados é longo, lento e cansativo, com cenas de plano aberto que parecem durar uma pequena eternidade.

O enredo parece mudar quando chega no meio do filme, assim como acontece em Django Livre, e é nesse ponto que o sangue começa a jorrar e a história vai perdendo o sentido.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Sirius the Jaeger

luta entre o personagem Yuliy e um vampiro do anime sirius the jaeger

A nova animação original da Netflx, Sirius the Jaeger, conta a história de Yuliy, único sobrevivente de uma vila do povo Sirius, que se junta aos caçadores de vampiros para vingar sua família. O anime conta com 12 episódios de 25 minutos em sua primeira temporada (uma continuação ainda não foi confirmada) e tem traços bem agradáveis, mas deixa muito a desejar.

Para explicar vou precisar soltar alguns spoilers leves, os que forem maiores, vou deixar em cinza,. para que vocês possam evitar a leitura. Caso queiram ler todos os comentários, selecionem o texto ^^

Logo de início você percebe que a história não é nada original, parecendo muitas vezes recortes de outros animes, mas ainda espera um bom desenvolvimento, o que acaba não acontecendo.

Sirius the Jaeger parece se perder no meio do roteiro, com vilões fáceis de ser vencidos, histórias mal explicadas e personagens sem nenhuma profundidade (um dos pontos mais críticos na minha opinião).

Em algum ponto a história passa a girar em torno de um poder ancestral da vila Sirius, denominado A Arca, que está sendo procurado por vampiros, humanos e caçadores. Não fica claro os poderes que essa Arca possui, mas todos a querem.

A busca acaba sendo bem simples e as cenas de enrolação duram mais do que a jornada ou que as partes das lutas, tornando o anime cansativo e meio chato.

Comentário com Spoiler: o vilão principal (que conhecemos só depois de vários episódios) acaba conseguindo obter o poder da Arca, que aparentemente serve apenas para te dar uma fantasia fabulosa e purpurinada. Ainda que o vampiro não fosse capaz de controlar tamanho poder, algo mais deveria ter sido mostrado. Foi simplesmente bem frustrante!

Já na sinopse disponibilizada pela Netflix, Yuliy é descrito como um lobisomem e em alguns episódios chega a mostrar que ele é forte, se cura rápido e tem um bom olfato, e isso é só! Nada mais indica nenhum outro poder do protagonista, não há uma transformação completa ou convincentes, o que tira completamente o sentido das piadinhas feitas com o personagem por seus amigos.

Yuliy transformado em lobisomem
o máximo de lobisomem que você vai ver, desculpem desaponta-los

Yuliy tem características pouco marcantes e nenhum momento realmente interessante ao logo de todo o anime. Os personagens secundários também não cativam e foram ainda mais mal explorados do que o protagonista. Até os vampiros (que para quem ama histórias do gênero como eu já são razão suficiente para assistir algo) foram sem graça, nada charmosos, nada densos e fracos.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes

imagem do livro histórias de ninar para garotas rebeldes ao lado do símbolo do feminismo


Assim que vi o livro Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes em um site o coloquei na minha lista de desejados.

A ideia de um livro que conta a história de 100 mulheres reais, com lindas ilustrações de 60 artistas femininas e escrito por duas mulheres (Elena Favilli e Fracesca Cavallo) é simplesmente maravilhosa. É muito Girl Power em um único livro!


capa interna do livro histórias de ninar para garotas rebeldes


O livro tem histórias de personalidades bem conhecidas como Yoko Ono, Frida Khalo e Jane Austen, mas também conta com heroínas lendárias de diferentes povos e jovens mulheres que marcaram nossa atualidade como a Malala Yousafzai, ativista paquistanesa, e Coy Mathis, uma criança transexual nascida nos EUA.


ilustração de Jane Austen

ilustração de Coy Mathis

Ganhei Histórias de Ninar da minha amiga Ju e combinei com meu noivo de lermos juntos, uma história por noite, antes de dormir. As vezes liamos mais de uma, afinal elas são bem simples e resumidas, seguindo bem a ideia de um livro infantil.

Gostei tanto do livro que o utilizei em um projeto de leitura com as crianças de onde eu trabalho e ver no fim da aula várias garotas me perguntando onde encontrar o livro para conhecer as outras histórias alegrou meu coraçãozinho feminista, que quer muito que as meninas saibam que podem fazer qualquer coisa que quiserem.

Fiquei muito animada quando descobri que lançaram o segundo volume e estou muito ansiosa para adquiri-lo ou ganha-lo de presente, quem sabe? :p


Ah, alguns sites, como o submarino, já estão disponibilizando um box com os dois volumes, então quer tiver interesse, já pode adquirir as 200 histórias de uma vez.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Jogo Ataque ao Prisma


Fuçando algumas anotações antigas do blog vi que havia planejado uma resenha do jogo Ataque ao Prisma, do desenho Steven Universe, que eu acabei esquecendo de postar (bem típico de quem tenta ser organizado, mas usa quinhentas agendas para isso), então decidi fazer agora. Para poder escrever essa resenha, precisei voltar a jogar, com o intuito de lembrar alguns detalhes que esquecera e não é que o jogo é bom mesmo? :p

Ataque ao prisma é um jogo de RPG onde você coordena o time das Cristal Gems contra monstros criados pela luz que escapou de um poderoso prisma. Seu objetivo é capturar essas luzes através de diferentes fases.






Você joga com os quatro personagens (Steven, Perola, Ametista e Garnet) de uma vez, escolhendo o melhor ataque para cada situação em batalhas de turnos. Conforme você destrói os monstros pelo caminho seu nível vai aumentando, criando novas habilidades e subindo os níveis de defesa. É necessário decidir onde investir seus pontos, o que se tornou mais fácil agora que estou jogando pela segunda vez e sei o que cada ataque faz.







Existem passagens secretas e portas trancadas que precisam de chaves escondidas e códigos para serem abertas.

Na primeira vez que joguei não cheguei a fechar 100% por causa dessas passagens, mas pretendo fazer isso nessa segunda tentativa.



O jogo tem duas possibilidades de dificuldade: a normal (que em algumas fases já é bem complicadinha) e a Diamante (equivalente ao hard), que é a que estou jogando no momento (e apanhando um pouco, para ser sincera)

O aplicativo consegue te manter entretido por longas horas e apesar de ter apenas um objetivo durante todo o percurso, não é cansativo e tem um nível ideal de dificuldade, aquele que te desafia, mas não te faz pensar "Ah deixa para lá!"

A única desvantagem de Ataque ao Prisma é ser um pouco pesado, sendo aconselhável fazer o download utilizando o Wi-Fi.